Sábado, 10 de Fevereiro de 2007

Mote e Glosa a Antero de Quental

( Foto do " sincelo" na Serra da Azinheira )

Mote:

Selvas, mares, areias do deserto

Dorme o teu sono, coração liberto

Dorme na mão de Deus eternamente.

                                           ( Antero de Quental)

 

 

Glosa

 

A ânsia de calcorrear espaços

Porque as grilhetas me ferem

Levam tantas vezes meus passos

A lugares que outros não querem.

São esses lugares que adoro por certo.

Por que aí minha alma se expurga:

Selvas, mares, areias do deserto…

 

Aí, sou mais eu, mais verdadeira.

Neles me entroso como em simbiose

Tal qual uma paixão verdadeira

Que só, na presença amada, se goze.

Esse lugar, qualquer deles, é meu dilecto

Permite-me dizer de alma cheia:

- Dorme teu sono, coração liberto.

 

E, nestes conflitos de Sociedade,

Muito mais apetece o isolamento.

Tanta ambição e agressividade

P’rá alma delicada é um tormento.

Então, ao natural, vive calmamente

Na hora, bem-vinda, do passamento,

Dorme na mão de Deus, eternamente.

( Poema da Autora deste Blog)

 

publicado por oserrano às 15:48
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De borgengas a 16 de Fevereiro de 2008 às 17:57
Parabéns pelo poema e pela bela foto

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Mote e Glosa a Antero de ...

. Poema sobre a vida ( Mote...

. Outono

. Quimeras e Fingimentos - ...

. Meu cavalo alado

. Suspiros Poéticos

. ...

. Serrana - Poema

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds